terça-feira, 20 de junho de 2017

Le colonialisme portugais en Afrique la fin d'une ère par Eduardo de Sousa Ferreira


Le colonialisme portugais en Afrique: la fin d’une ère
Les effets du colonialisme portugais sur l’éducation, la science, la culture et l’information
par Eduardo de Sousa Ferreira avec une introduction de Basil Davidson 
Les Presses de l’Unesco Paris 1974 - 176 p.

3 publications du Comité national de soutien de la lutte de libération nationale dans les colonies Portugaises.


LUTTE DE LIBÉRATION
DANS LES
COLONIES PORTUGAISES
(1970)


 LE BARRAGE DE
CABORA BASSA



 LA FRANCE 
ET LA GUERRE
COLONIALE PORTUGAISE 


 EXTRAIT 
(Prochainement)


  

segunda-feira, 5 de junho de 2017

O SIDONISMO E O MOVIMENTO OPERÁRIO PORTUGUÊS / António José TELO

O SIDONISMO E O MOVIMENTO OPERÁRIO PORTUGUÊS
Luta de classes em Portugal, 1917-1919

António José TELO 

 Ulmeiro, Lisboa, 1977. In-8º de 326p





E inútil realçar a importancia dos anos de 1917-1919 a nível da história mundial. Já na história portuguesa, contudo a sua importância é geralmente desprezada, apesar de os acontecimentoa então vividos terem então marcado profundamente todo o século XX português.

Em Dezembro de 1917, Sidónio Pais, oficial do exército praticamente desconhecido, é levado por um golpe militar vitorioso ao lugar cimeiro da política portuguesa, apoiado num amplo bloco de classes possuidoras, e mesmo do proletariado durante os primeiros meses. O que parecia ser mais um vulgar golpe militar não tarda muito em transformar-se numa experiência política, única e insólita em Portugal e mesmo no mundo, cujo total alcance cujo total alcance só poderia servir de exemplo e fonte de inspiração para o fascismo português e mesmo europeu, uma experiência política e económica a que podemos, com sobejas razões, chamar de sidonismo, considerado por António Ferro como a primeira experiência de uma ditatura moderna.


Introdução

CAPITULO I


O Proletariado Portugués em 1910-1920


1 — O que é o proletariado
2 — O proletariado industrial, da construção civil e pescas
a) Importância numérica
b) Divisão sectorial e regional
c) Condições de vida
d) Organização sindical
   
3 — O proletariado dos transportes 
4 — O proletariado agrícola
a) As classes nos campos
b) Condições de vida do proletariado agrícola
c) Sindicatos rurais

CAPITULO II

Portugal e a Guerra

1 — O movimento operário 1910-1914   
2 — As classes possuidoras e a guerra   
a) Situação internacional
b) As classes possuidoras e as colonias   
e) As classes possuidoras e a crise da guerra
d) O caminho para a Flandres  
3 — O movimento operário e a guerra   
a) O movimento anti-belivista
b) A luta contra a carestia de vida

CAPITULO III

O 3.° Governo Alfonso Costa
1 — A formaçao do governo
2— O movimento operario em 1917
3 — A cantinho do sidonismo

CAPITULO IV

Primeira Fase do Sidonismo

1 — O golpe sidonista
2 — O bloco de classes inicial
3 — O fim da lua de mel do proletariado com o sidonismo

CAPITULO V

O Sidonismo

1- O Sidonismo na agricultura
2 — O Sidonismo na indústria e no comércio
3 — A máquina repressiva do sidonismo
4 — A desagregação política do ,projecto sidonista — Abril-Dezembro de 1918

CAPITULO VI

A Greve Geral de Novembro de 1918


1 — A mudança de táctica da UON
2 — A preparação
3 — A greve de Novembro

CAPITULO VII

O Fim do Sidonismo


1 — A caminho de Monsanto
2 — 0 movimento operário a caminho de Monsanto
3 — A luta contra a Monarquia do Norte
4 — A destruição dos restos do sidonismo
5 — A nova república velha
6 — A ascensão do movimento operário

CAPITULO VIII

Anexos de Textos do Movimento Operário


1— Apêndice ao capítulo «Portugal e a guerra»
2 — Apêndice ao capítulo «O 3 ° ,governo de A. Costa»
3 — Apêndice ao capítulo «A primeira fase do sidonismo
4 — Apêndice ao capítulo «A greve geral de Novembro 1918»
5 — Apêndice ao capítulo «O fim do Sidonismo»

Bibliografia