sábado, 12 de agosto de 2017

Dicionário de História de Portugal - O 25 de Abril (Livraria Figueirinhas)


[O três primeiros volumes] do "Dicionário de História de Portugal - O 25 de Abril" (Figueirinhas), coordenada por António Reis, Maria Inácia Rezola e Paula Borges Santos.
Quatro décadas após o golpe militar do 25 de Abril de 1974, actualiza-se o Dicionário de História de Portugal, obra pensada e iniciada pelo Joel Serrão, com a publicação do suplemento relativo ao período da transição para a democracia (1974-1976). A obra que aqui se apresenta trata desse intenso processo histórico, marcado por vários momentos chave, e procura sistematizar, com rigor científico, informação sobre instituições políticas, jurídicas, culturais, sociais e económicas; partidos políticos; biografias de personagens políticos, militares, culturais e religiosos; aspectos gerais sobre o Estado e as suas políticas públicas, os principais movimentos sociais, as ideologias, a economia e a inovação, a diversidade religiosa, a literatura e a arte.
O projecto, que se preparou durante cerca de quatro anos, envolveu uma equipa de mais de 150 especialistas e investigadores de diferentes áreas disciplinares, e visa colmatar uma lacuna no panorama académico e editorial, tantas vezes assinalada pelos próprios estudiosos desta época. O seu objectivo foi o de fornecer um instrumento de síntese, onde tanto se reúne informação já trabalhada como se abordam problemas pouco ou mal estudados.

A luta de classes em Portugal / Paul M.Sweezy

A luta de classes em Portugal 
Paul M.Sweezy 



Arcadia 1975.(Alternativas Socialistas número especial)  64p.  Tradução Francisco Agarez.
 
Este texto foi publivado na revista socialistz independente Monthly Review, editada nos E.U.A e da qual Paul Sweezy é Director. A 1.a Parte saiu no n.° de Setembro de 1975 e a 2.a Parte no n° de Outubro de 1975.

segunda-feira, 7 de agosto de 2017

Roteiros da Memória Urbana – Porto / João Freire, Maria Alexandre Lousada

Roteiros da Memória Urbana – Porto

Marcas deixadas por libertários e afins ao longo do século XX

 

Sinopse:

No primeiro terço do século XX, o Porto era a segunda a maior cidade do país, a mais produtiva e aquela que dispunha do maior volume de força‐de‐trabalho operário (oficinal e industrial), ostentando com orgulho a divisa de “liberal” e o epíteto de “capital do norte”. Com as vilas de Gaia e Matosinhos já estreitamente a si associadas, o Porto era um meio urbano especialmente permeável ao anarco‐ sindicalismo e aos seus enraizamentos educativos e culturais nos diversos bairros da cidade, constituindo a expressão nortenha do movimento social crítico e alternativo dessa época em Portugal. Após o 25 de Abril de 1974, muito tinha mudado na cidade, a partir do seu centro, da Câmara e da Avenida dos Aliados. Mas aí irromperam também os “novos movimentos sociais” impulsionados sobretudo pelos jovens: feminismo, pacifismo, ecologismo.


Índice:
Apresentação

Organização, metodologia e fontes

Parte I - Referências e itinerários da memória: 1905, 1925 e circunvizinhanças
Sítios com história
Guia para uma visita
Militantes
Grupos e associações
Sindicatos de trabalhadores
Jornais e revistas

Parte II - Na origem da nossa época: 1975 e proximidades
Locais de referência
Grupos e associações
Jornais e revistas
Fontes e bibliografia sumária
 
Anexos
Cronologia seleccionada
 Militantes e grupos libertários do Porto
Tabela de siglas
Proveniência de fotografias
Índice dos mapas
Índice onomástico remissivo

Edições Colibri, 124 p. 2013