quarta-feira, 17 de julho de 2019

Sindicatos Arma contra-revolucionária

Sindicatos Arma contra-revolucionária 

Lisboa, Ed Spartacus, outubro 1974 , 66pp.


ÍNDICE

Nota Prévia

.A Questão Sindical (H. Gorter)

Sobre a Questão Sindical, Discussão do Relatório de Zinoviev (Bergmann)

O Sindicalismo (A. Pannekoek)

Siglas das organizações

 

 

quinta-feira, 4 de julho de 2019

Algumas sugestões bibliográficas, muito pessoais, sobre os gestores / João Bernardo

Estas indicações bibliográficas vão ao arrepio do que se tornou uso nas universidades, porque cito clássicos e autores defuntos. Ora, a partir do momento em que o número de citações passou a fazer parte do curriculum, os orientadores praticamente impedem os alunos de mencionar mortos, porque seria o mesmo que enterrar dinheiro em cemitérios. Mas, dado que eu conduzo as pesquisas como acho correcto e não para alimentar os curricula, cito os autores e indico as pistas que me parecem melhores para ter uma ideia do assunto. 


Para estudar os gestores deve obrigatoriamente começar-se por Makhaisky. Foi ele o primeiro a conceber de maneira sistemática os gestores como classe social específica. Existe uma tradução em português das passagens mais elucidativas da obra de Makhaisky nas págs. 84-170 de Maurício Tragtenberg (org.) Marxismo Heterodoxo, São Paulo: Brasiliense, 1981. Existe uma biografia de Makhaisky: Marshall S. Shatz, Jan Wacław Machajski. A Radical Critic of the Russian Intelligentsia and Socialism, Pittsburgh: University of Pittsburgh Press, 1989. Este livro não é nada de extraordinário, mas não há outra biografia, pelo menos que eu conheça. 

Os prolegómenos do estudo dos gestores é em Saint-Simon que se encontram. A mesma função que Smith e Ricardo cumprem para a teoria económica cumpre Saint-Simon para a teoria da classe dos gestores. Existe uma edição da obra completa de Saint-Simon, mas é um tanto atabalhoada e sem um bom aparelho de notas: Oeuvres de Claude-Henri de Saint-Simon, 6 vols., Paris: Anthropos, 1966. Quando estudei Saint-Simon esta edição era a única existente; não sei se entretanto se teria feito melhor. Escrevi uma pequena síntese de algumas das noções de Saint-Simon nas págs. 17-39 de João Bernardo, Democracia Totalitária. Teoria e Prática da Empresa Soberana, São Paulo: Cortez, 2004. O livro encontra-se na internet, não sei por que artes, e não me dei ao trabalho de verificar se se trata de uma versão correcta, mas por que não se trataria? 

Para estudar a evolução dos gestores como classe, no seu campo de acção, o melhor é estudar a evolução das teorias de administração de empresa. Não faltam livros neste âmbito, aconselho um que tenha as seguintes características: anglo-saxónico, volumoso, com abundantes notas de rodapé e bibliografia. Estudar Alfred Sloan Jr, Elton Mayo e depois os teóricos mais recentes do toyotismo e da qualidade total é estudar os grandes inovadores e conceptualizadores da gestão. 

Na esquerda ou, mais exactamente, na extrema-esquerda, a noção da existência dos gestores enquanto classe social específica e dominante foi gerada na crítica à evolução da União Soviética e ao stalinismo. Como a burguesia havia sido aniquilada fisicamente ou eliminada economicamente e a propriedade dos meios de produção cabia ao Estado, mas como, apesar disto, as relações sociais de trabalho continuavam inalteradas, os críticos de extrema-esquerda argumentavam que existia uma outra classe capitalista, que aproveitara em seu benefício a revolução bolchevista. Para uns, essa outra classe seria pós-capitalista, o que definiria o regime soviético como nem capitalista nem comunista; enquanto, para outros, essa classe seria capitalista, o que definiria o regime soviético como um capitalismo de Estado. Existe uma excelente resenha bibliográfica destas polémicas: Henri E. Morel, «As Discussões sobre a Natureza dos Países de Leste (até à Segunda Guerra Mundial): Nota Bibliográfica», em Artur J. Castro Neves (org.) A Natureza da URSS, Porto: Afrontamento, 1977. 

Na verdade, a questão vinha já dos primeiros anos do regime bolchevista e encontram-se muitas indicações e pistas de pesquisa no segundo volume da conhecida trilogia de Edward Hallett Carr, A History of Soviet Russia. The Bolshevik Revolution, 1917-1923, 3 vols., 1952. O livro existe na Penguin. 


Para uma perspectiva genérica do período da NEP, do começo do stalinismo e da génese destas polémicas, é indispensável Anton Ciliga, Au Pays du Mensonge Déconcertant. Dix Ans derrière le Rideau de Fer, Paris: Gallimard e Union Générale d’Éditions (10/18), 1977 [1ª ed.: Au Pays du Grand Mensonge, Paris, 1938. 2ª ed., tiragem restrita: 1950]. 

Para analisar estas posições com mais detalhe convém ler um dos expoentes da concepção dos gestores como classe pós-capitalista: Bruno Rizzi, L’U.R.S.S.: Collectivisme Bureaucratique (La Propriété de Classe), Paris: Champ Libre, 1976 [1ª ed.: La Bureaucratisation du Monde, 1ª Parte, Paris, 1939]. Note-se que esta reedição da obra se limita a um dos volumes, ocultando a adesão de Rizzi ao fascismo, que é o tema do outro volume: Bruno R[izzi]., Quo Vadis, América? (Est-ce un “New Deal”?), Paris: ed. do autor, 1939. Mas esta edição é muito difícil de encontrar. 

Muitíssimo mais interessante do que Rizzi, na minha opinião, é Lucien Laurat, por exemplo: Lucien Laurat, L’Économie Soviétique. Sa Dynamique, son Mécanisme, Paris: Valois, 1931; Lucien Laurat, Économie Dirigée et Socialisation, Paris e Bruxelas: L’Églantine, 1934. Eu escrevi acerca de Laurat uma série de quatro artigos de divulgação num site: João Bernardo, «Lucien Laurat no País dos Espelhos», 


Note-se que Trostsky defendeu até ao fim o carácter economicamente socialista da União Soviética, com o argumento de que a estatização da propriedade dos meios de produção seria suficiente para definir o socialismo. Assim, para Trotsky a burocracia stalinista era uma camada social parasitária, mas não uma classe social específica. No seu exílio Trotsky conduziu permanentemente uma dupla polémica, à direita contra o stalinismo, e à esquerda contra aqueles que consideravam que a classe dominante soviética eram os gestores. Assim, encontram-se muitas pistas de análise interessantes nas obras de Trotsky desse período, mais nos artigos do que nos livros. Existe uma edição dos artigos de Trotsky escritos entre 1933 e 1940, organizada por George Breitman e Evelyn Reed e depois por George Breitman e Bev Scott, publicada em Nova Iorque pela Merit e depois pela Pathfinder de 1969 a 1972. 

Uma das figuras que rompeu à esquerda com o trotskismo, defendendo a existência dos gestores como classe social específica e o seu papel como classe dominante no regime soviético foi James Burnham. Nesta perspectiva, a sua obra mais importante é The Managerial Revolution, publicada em 1941. Na minha opinião, o lugar de destaque geralmente atribuído a Burnham é injustificado e injusto, pois este autor nada acrescentou ao que a extrema-esquerda, quero dizer, aqueles situados à esquerda de Trotsky, já havia defendido. Mas Burnham era um universitário e adoptou posições de direita durante a guerra fria, o que o tornou popular em muitos meios e assegurou a divulgação dos seus livros. 

E passo para outra vertente da teoria da classe dos gestores. Uma das principais figuras nesta vertente foi Walther Rathenau. Há muitos estudos sobre ele. Rathenau faz lembrar Keynes, porque foi um administrador de empresa, um ensaísta, um político e um amante da arte, e também por ter sido uma das inteligências mais brilhantes da época. Musil, em O Homem Sem Qualidades, inspirou-se em Rathenau para uma das figuras. Rathenau esteve à frente das tentativas de organização da economia e de planificação central prosseguidas pelo estado-maior alemão durante a primeira guerra mundial. Ora, estas tentativas influenciaram poderosamente as noções de Lenin acerca da organização económica, como se pode ver em muitas das suas obras de 1917 em diante. Assim, o estudo das concepções de Rathenau ajuda também a compreender a situação soviética. 
Além da figura de Rathenau, a vertente tecnocrática na república de Weimar é importante. Encontram-se muitos fios de pesquisa numa excelente antologia: Anton Kaes, Martin Jay e Edward Dimenberg (orgs.) The Weimar Republic Sourcebook, Berkeley, Los Angeles e Londres: University of California Press, 1995. É indispensável estudar as obras de Siegfried Kracauer sobre a tecnocracia e a burocracia. 

Depois, durante o Terceiro Reich, a vertente tecnocrática foi especialmente notória nas figuras do engenheiro Fritz Todt e do arquitecto Albert Speer, ambos muito importantes na hierarquia nazi. É fundamental a leitura das memórias de Speer, traduzidas em várias línguas. 

Um dos aspectos mais interessantes, e pouco estudados, é a aliança estabelecida entre Speer e Jean Bichelonne. Bichelonne era um jovem geniozinho e o mais notável de uma constelação de tecnocratas que se puseram ao serviço do regime fascista de Vichy. Acerca desta tecnocracia durante o regime de Vichy teceram-se as histórias mais delirantes. Dois exemplos: Henry Coston (org.) Les Technocrates et la Synarchie, Paris: Lectures Françaises, 1962; Olivier Dard, La Synarchie ou le Mythe du Complot Permanent, Paris: Perrin, 1998. Num plano de grande seriedade, encontram-se muitas pontas de pesquisa naquela que é, para mim, a melhor obra sobre o regime de Vichy: Robert O. Paxton, La France de Vichy, 1940-1944, Paris: Seuil, 1973 (a edição original é norte-americana: Vichy France. Old Guard and New Order, 1940-1944, 1972). A partir desta obra pode verificar-se um elo de continuidade entre a tecnocracia que em Vichy adoptou o fascismo e a tecnocracia que, juntando-se a De Gaulle, adoptou a democracia. Jean Bichelonne numa ponta e, na outra ponta, Jean Monnet, ambos em nome de um europeísmo tecnocrático. Para compreender estas articulações ideológicas é interessante ler Henri Michel, Les Courants de Pensée de la Résistance, Paris: Presses Universitaires de France, 1962. Vemos aí como as concepções tecnocráticas vigentes em Vichy influenciaram alguns dos meios mais importantes da Resistência. Um dos grandes elos de ligação foi o economista François Perroux, que exerceu uma grande influência sobre a tecnocracia francesa fascista ou fascizante antes de 1944 como, depois, sobre a tecnocracia do Mercado Comum, assim como sobre a tecnocracia das independências africanas, graças aos seus estudos sobre o desenvolvimento económico. 

No fascismo italiano, uma das figuras mais importantes da ala tecnocrática foi Giuseppe Bottai. Vale a pena pesquisar o que ele escreveu, nomeadamente as memórias: Giuseppe Bottai, Vent’Anni e un Giorno, [s. l.]: Garzanti, 1949. Sobre a tecnocracia como elemento de relação entre o fascismo italiano e o New Deal norte-americano é interessante ler: Giuseppe Bottai, «Corporate State and N. R. A.», Foreign Affairs, 1934-1935, XIII, nº 4. 

Aliás, o estudo do New Deal é importante para mostrar que a vertente fascista da tecnocracia e a sua vertente democrática puderam estar amalgamadas. Distinguimo-las porque a história as distinguiu noutros países, mas, se nos limitássemos aos Estados Unidos, só teríamos razão para as juntar numa realidade única. Sobre o New Deal há um monumento da historiografia, a trilogia que Arthur M. Sclesinger Jr dedicou à época de Roosevelt, mas que cobre o período de 1919 até 1936. Encontram-se aí vários elementos de pesquisa muito sólidos sobre o pensamento tecnocrático. Acerca do assunto, um dos autores básicos nos Estados Unidos é Adolf A. Berle Jr, nomeadamente Power without Property. A New Development in American Political Economy, Nova Iorque: Harcourt, Brace & World, 1959; e é um clássico a obra que ele escreveu juntamente com Gardiner. Means, The Modern Corporation and Private Property, Transaction, 1932. 

Em Espanha, tanto durante a Segunda República como durante o fascismo, foi em torno de Ortega y Gasset que se reuniu a tecnocracia modernizadora, que veio a fornecer o principal eixo de evolução do franquismo. 

Em Portugal, na minha opinião, deve atribuir-se um papel central a Adérito Sedas Nunes e à Análise Social. Foi essa a grande escola de pensamento e de acção da tecnocracia portuguesa. Mas não caíram do céu e tiveram precursores ao longo do fascismo, nomeadamente o engenheiro Araújo Correia. Em geral, foi em algumas secções da Câmara Corporativa e em torno dos Planos de Fomento que se formou a base da tecnocracia poprtuguesa, hoje dominante. Aliás, é curioso que Franco Nogueira considerou, e a meu ver com razão, os governos de Salazar como precursores dos governos tecnocráticos. Escreveu ele: «Salazar abre assim em Portugal a era da tecnocracia» (Franco Nogueira, Salazar, vol. III, Coimbra: Atlântida, pág. 290, sub. orig.). 

No Brasil é interessante verificar que os gestores têm garantido a continuidade económica num país onde a vida política foi atribulada. Se obervarmos as presidências de Getúlio Vargas, depois a de Juscelino Kubitschek, depois o regime militar, depois as duas presidências de Fernando Henrique Cardoso e, por fim, as três presidências do PT, constatamos a solidez de uma camada gestorial subjacente, que tem fornecido à economia um eixo de continuidade e um movimento ascencional quase ininterrupto. Quando eu cheguei ao Brasil os principais teóricos da tecnoburocracia — uma nomenclatura que corresponde exactamente ao que eu denomino gestores — eram Bresser Pereira e Fernando Prestes Motta. O Fernando morreu prematuramente e o Bresser Pereira, uma das grandes inteligências brasileiras, deixou de estar politicamente interessado em prosseguir esse rumo de analise. Ele foi um dos ministros mais importantes de Fernando Henrique Cardoso e agora rompeu com o PSDB para se aproximar a passos mansos do PT e do desenvolvimentismo industrialista. Mas vale a pena ler o que ele escreveu acerca do assunto durante o regime militar: Luiz Carlos Bresser Pereira, A Sociedade Estatal e a Tecnoburocracia, São Paulo: Brasiliense, 1981. Há um estudo interessante: Maria de Lourdes Manzini Covre, A Fala dos Homens. Análise do Pensamento Tecnocrático, 1964-1981, São Paulo: Brasiliense, 1983. Há pouco tempo enviaram-me uma tese já antiga, que ainda não li, mas que pode ser interessante: Roberto Grün, A Revolução dos Gerentes Brasileiros, Campinas: Unicamp, 1990. Enviarei em anexo. 

Finalmente, existe um livro meu que é de certo modo um remake do Para uma Teoria do Modo de Produção Comunista, embora acho que quem se apercebe de que é um remake sou eu e não os leitores: João Bernardo, Economia dos Conflitos Sociais, São Paulo: Cortez, 1991 e São Paulo: Expressão Popular, 2009. A primeira edição na Cortez esgotou-se, essa editora não se mostrou interessada em o reeditar e a segunda edição esgotou-se igualmente, mas entretanto eu tomei várias posições públicas críticas ao MST e a Expressão Popular, que é próxima a esse Movimento, também não se interessou por fazer nova edição. Como o livro é de fácil acesso em bibliotecas e alfarrabistas e como estou farto de editoras, decidi disponibilizar os pdfs e coloquei-os na internet. Para maior facilidade, envio em anexo. A questão dos gestores é tratada sobretudo nas págs. 170-234 da versão em pdf. 

Com estas pistas e com as indicações bibliográficas que se podem encontrar nas notas de rodapé relativas às passagens consideradas mais interessantes, creio que há material suficiente para encetar uma pesquisa. 



 
Publicado em 2019

Era um mundo / João Bernardo Vosstanie Editions

OS BOLCHEVIQUES E O CONTROLE OPERÁRIO / Maurice BRINTON (Ediçoe PDF)


Edições Afrontamento, Porto, 1975 - 211pp.


DA REVOLUÇÃO BURGUESA À REVOLUÇÃO PROLETÁRIA / Otto Rühle [Publicado]

DA REVOLUÇÃO BURGUESA
À REVOLUÇÃO PROLETÁRIA
 Otto Rühle

O livro pode ser encomendado

Encomendar o livro
 Para os países fora da EU o livro pode ser reservado através do e-mail


Título original

Von der bürgerlichen zur proletarischen Revolution (1924)

Tradução realizada sobre a versão inglesa From The Bourgeois To The Proletarian Revolution, Socialist Reproduction, London, 1974.

VOSSTANIE Éditions 
Collecçaõ Arqoperaria

Junho 2019

Publicaçõe papel (Tiragem limitada)

Brochado 132 págs - 10€

Extracto do livro (PDF)


OTTO RÜHLE (1874-1943)


Professor e educador de profissão, toda a vida interessado pela educação e pela psicanálise, Rühle tornou-se, em 1911, deputado do SPD na Dieta da Saxónia, depois, em 1912, deputado do SPD ao Reichstag, apoiando a ala esquerda do partido.

Em Março de 1915 Rühle foi o segundo deputado, sendo o primeiro Karl Liebknecht, a recusar o voto aos créditos de guerra no Reichstag. Membro fundador da Liga Spartakus durante a guerra, Rühle abandonou este grupo para entrar para o ISD (mais tarde o IKD), tornando-se porta-voz do grupo para a área de Dresden do ISD.

Depois, em 1918, desempenhou um papel dirigente nos acontecimentos revolucionários na Saxónia, que levaram à queda do principado governante da Casa da Saxónia. A sua tendência em breve se desviou dos chamados conselhos operários locais social -democratas. Era porta-voz da maioria de esquerda na conferência da fundação do KPD em Dezembro de 1918 e principal propagandista do conceito de organização unitária durante este período.
A seguir à expulsão da tendência comunista de esquerda do KPD no Congresso de Heidelberg participou na fundação do KAPD, com a condição de que este se dissolvesse rapidamente na AAUD. Delegado do KAPD ao Segundo Congresso da Internacional Comunista, ao qual se recusou a comparecer depois de rejeitar as vinte e uma condições de adesão. Por isto foi expulso do KAPD em Outubro de 1920. Daqui em diante tornou-se leader teórico da tendência da «organização unitária», depois o iniciador da fun dação da AAUD-E em Outubro de 1921.

Deixou a organização revolucionária em 1925 e voltou-se uma vez mais para a actividade literária e cultural. Em 1933, com a sua esposa e colaboradora Alice Gurstel-Rühle, emigrou para Praga, e em 1936 para o México, onde exerceu, durante algum tempo, as funções de consultor para a educação de um governo «socialista». Empenhado neste período num diálogo político com Trotsky sobre as divergências políticas fundamentais entre eles, continuaram em desacordo, mas Rühle tomou parte no Comité formado nos USA por John Dewey, para examinar as acusações de Estaline contra Trotsky, defendendo a reputação deste.

Rejeitou a frente anti-fascista e, consequentemente, tomou uma posição derrotista internacionalista ao eclodir a Segunda Guerra Mundial. Contribuiu ocasionalmente ao longo dos anos trinta para o jornal International Council Correspondence (mais tarde Living Marxism), cujos outros colaboradores incluiam Anton Pannekoek e outros membros do Grupo Holandês Comunista Conselhista, e Karl Korsch, Paul Mattick e outros sobreviventes da corrente de esquerda comunista na Alemanha.

Começou a pintar aos 65 anos e conseguiu uma boa reputação neste campo com o nome de Carlos Timonero. Morreu no México em 1943.

VOSSTANIE Éditions 
Collecçaõ Arqoperaria
 Junho 2019



DA REVOLUÇÃO BURGUESA
À REVOLUÇÃO PROLETÁRIA
Otto Rühle


PREFÁCIO   p.9
Socialist Reproduction, London Revolutionary Perspectives (1974) 
  • Sobre as origens e infância da política revolucionária do proletariado.
  • O comunismo de esquerda na Alemanha de 1914 a 192.

DA REVOLUÇÃO BURGUESA A REVOLUÇÃO PROLETÁRIA p.52

Nota introdutória
1. As revoluções burguesas
2. O problema russo
3. O Estado capitalista burguês
4. Parlamento e partidos
5. Os sindicatos
6. A última fase do capitalismo europeu
7. Organização de fábrica e uniões operárias
  1. As origens do movimento unionista
  2. Natureza e objecto da AAUE
  3. Estrutura da BO
  4. Estrutura da união
  5. Tácticas
  6. Natureza da administração
  7. Inscrição
8. O sistema dos conselhos
9. A revolução proletária
OTTO RÜHLE — NOTAS BIOGRÁFICAS p.129
BIBLIOGRAFIA p.130

Encomendar o livro
 Para os países fora da EU o livro pode ser reservado através do e-mail